Envelhecimento com qualidade de vida


Vários estudos têm sido desenvolvidos de modo a contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas que atingem a terceira idade. Estes estudos e seus resultados deram início a uma preocupação com a longevidade, e consequentemente, à criação de produtos e equipamentos que promovem o bem estar e contribuem para um melhor desempenho físico do idoso, resultando numa vida mais plena e ativa.

Para irmos um pouco mais além neste tema, convidamos a Dra. Patrícia Ferreira, especialista em geriatria, área da medicina dedicada à prevenção e ao tratamento das doenças e da incapacidade de indivíduos em idades avançadas, para uma conversa informativa e descontraída. Leia em baixo.

-Dra. Patrícia, exatamente quando é que uma pessoa é considerada idosa?

R: Sabe-se actualmente que a expectativa de vida não apenas dos portugueses, mas de toda a população mundial, é cada vez mais alta. As pessoas vivem mais, porém viver mais, não é necessariamente sinónimo de qualidade de vida. Precisamos reconhecer que não existe um padrão para o envelhecimento, nem todos os indivíduos envelhecem da mesma maneira, as diferenças estão relacionadas com as condições de vida, acesso aos bens e serviços, cobertura da rede de saúde e as condições de atendimento social. 

- Dra. Patrícia, é possível envelhecer com qualidade de vida?

R: Sim, é claro. Para que os idosos tenham qualidade de vida é importante consideramos inúmeros fatores, mas geralmente podemos agrupá-los em três grandes pilares: o bem estar físico, o bem estar psíquico, e o bem estar social. Envelhecer com qualidade, significa estar satisfeito com a vida atual e ter expectativas positivas para o futuro. 

- Como podemos prevenir-nos dos efeitos da idade avançada?

R: É fundamental que as pessoas da terceira idade tenham um estilo de vida ativo. É muito importante procurarem atividades físicas que lhes agradem, que os divirtam e que facilitem a interação social. A atividade física traz inúmeros benefícios físicos e psicológicos, melhora a autoestima, a mobilidade e os reflexos. Também gosto de salientar que uma alimentação saudável e equilibrada é essencial, alimentos ricos em vitamina B12 são excelentes para formar e manter as células nervosas.

- Dra. Patrícia, existem aparelhos que ajudam no quotidiano dos idosos? Quais?

R: Atualmente, podemos encontrar nas lojas destinadas aos seniores, uma vasta gama de artigos com o intuito de ajudar a população sénior nas tarefas do dia a dia. Produtos como almofadas lombares, bengalas, pulseiras de segurança, lupas, cadeiras para duche, luvas de compressão, palmilhas ortopédicas, entre outros, vão de encontro às suas necessidades. É preciso lembrar também que estes aparelhos são auxiliares, e funcionam melhor em conjunto com outras ações, como a fisioterapia, os cuidados médicos, de enfermagem, etc. É um conjunto de fatores que torna a vida dos idosos mais confortável, e ao segui-los suas vidas podem ser melhor.

- À partir de que idade recomenda um geriatra?

R: Como método de prevenção, quanto mais cedo, melhor. O auge da maturidade é alcançado logo após os 30 anos de idade, desta maneira, o ideal é que o acompanhamento de um geriatra, comece à partir dos 45 anos. Esta é a idade em que as funções biológicas de nosso corpo apresenta um declínio, e portanto, necessitamos de uma readaptação.