Pé diabético

A prevalência da Diabetes Mellitus em Portugal é elevada, tendo-se constituído ao longo dos anos como uma pandemia em constante crescimento. Esta doença manifesta-se a nível dos vários órgãos e sistemas do nosso organismo com repercussões que podem ser graves e muitas vezes irreversíveis quando já numa fase avançada da doença, ou quando a doença se estabelece desde há vários anos.

O pé diabético é uma das complicações mais graves da Diabetes, sendo responsável por cerca de 70% de todas as amputações. O risco de um doente diabético desenvolver uma lesão associada ao pé diabético é de 25% durante toda a vida; desta forma, a aposta nos cuidados preventivos torna-se essencial.


Como a diabete afeta os pés?

A diabetes é uma condição em que há uma elevada concentração de glicose no sangue. Isto pode levar a complicações que afetam o sistema nervoso e a circulação. 

Como a diabetes pode afetar os pés:

  • Podem chegar a ser insensíveis e menos capazes de sentir dor, mudanças de temperatura e vibrações
  • A pele dos pés pode ficar muito seca e propensa a sofrer de bolhas, cortes ou queimaduras
  • As feridas podem levar muito tempo a sarar
  • Os pés e as pernas podem doer
  • Com o tempo, os nervos podem sofrer danos e a circulação sanguínea pode levar a alterações na forma dos pés e de caminhar

 

O cuidado dos pés

Os seus pés são especialmente sensíveis se sofre de diabetes e necessitam de especial atenção e cuidado:

  • Lave os pés com água morna e sabão suave. Não deixe os pés de molho demasiado tempo já que pode danificar a pele
  • Seque bem os pés, especialmente entre os dedos e garanta que ficam secos durante todo o dia 
  • Utilize creme hidratante, tanto por baixo como por cima do pé. Evite espalhá-lo entre os dedos já que pode causar pé de atleta
  • Use sapatos cómodos que protejam e cuidem dos pés 
  • Use sempre meias e nunca caminhe descalço 
  • Trate das feridas pequenas do pé ou unhas imediatamente para evitar complicações e infeções

É essencial escolher o calçado adequado para prevenir complicações. Algumas características que o calçado deve ter:  

  • Materiais suaves e transpiráveis 
  • Área profunda do dedo dos pés, redonda ou quadrada, onde os dedos possam mover-se livremente 
  • Altura média, calcanhares firmes
  • Fechos seguros 
  • Sem costuras ou áreas duras no interior 
  • Palmilhas acolchoadas
  • Resistentes, com sola anti-aderente

A utilização de palmilhas especialmente concebidas para pessoas com diabetes, artrite ou outras condições que provoquem sensibilidade nos pés reduz a pressão nos pontos de ulceração neuropática.

Devem proporcionar elevado conforto e amortecimento, e ser fabricadas com uma combinação de materiais de diferentes densidades, que permitam a absorção de choques.

As palmilhas para diabéticos são ideais para sapatos, sapatilhas e botas que têm palmilhas removíveis. Devem ser cortadas ao tamanho certo para melhor se adequarem ao seu calçado.

Na Quemais dispomos de palmilhas para diabéticos. Consulte aqui os modelos disponíveis.